Crítica do filme A Liga da Justiça

A Liga da Justiça estreou de forma humilde no Brasil. Muitos já foram com o pé atrás por causa de Batman vs. Superman. Mas com um pouco de fé por conta de Mulher Maravilha. E ai?

A Liga da Justiça traz a primeira reunião dos super-heróis da DC Comics no cinema. Seguindo a receita de sucesso usada pela Marvel com Os Vingadores. A convergência de filmes “isolados” que une todos os personagens para derrotar um inimigo em comum.

Como era esperado, Gal Gadot praticamente roubou as cenas de ação. Ela mostrou como uma verdadeira Mulher-Maravilha deveria ser desde sua criação. Mas Batman e Superman fizeram somente a lição de casa e vieram como heróis ao invés de “sou seu amiguinho porque sua mãe tem o mesmo nome da minha”.

Flash, Aquaman e Ciborgue fizeram os papéis coadjuvantes que normalmente são dados nas animações. Mas fizeram bons usos de suas falas e poderes. Prometem ser bons filmes solo, com as personalidades marcantes de cada um e até com certo alívio cômico – pausa para o Flash!! Piadas infames à parte, Barry Allen é uma válvula de escape para toda a escuridão que envolve o universo DC. Foi bem explorado o lado engraçado do personagem neste filme, mas não houveram referências a serem seguidas por quem não conhece a história dele.

O Aquaman que foi muito subestimado, principalmente nos Superamigos, finalmente teve a oportunidade para mostrar o poder de um Atlante. Espero que Arthur Curry continue sendo muito bem representado por Khal Drogo Jason Momoa. E o Ciborgue, que ficou mais conhecido após sua caricatura no desenho Teen Titans (Jovens Titãs), agora mostra que realmente tem potencial de um herói. Com direito a uma origem que deve ser melhor contada em 2020, se as previsões estiverem corretas.

O filme é bom sendo de heróis e ação, mas ainda deixa muitas dúvidas sobre o que a DC quer realmente mostrar. Seu universo é imenso e já houveram tantos reboots que muitos fãs acabaram perdendo a linha do tempo. Talvez queiram fazer mais uma baseada somente nos filmes.

O vilão Steppenwolf, ou Lobo da Estepe, foi bem mostrado mas pouco explorado. Pois não fala quem são os Novos Deuses, que ele diz que quer voltar a ser. Não diz que ele é TIO do Darkseid e não somente um general. Talvez sejam respostas a serem dadas nos próximos filmes.

Não posso deixar de mencionar que A Liga da Justiça foi uma continuação de Batman vs Superman, sendo assim era de se esperar que algumas coisas ruins acontecessem. Mas fomos surpreendidos com a quase boa tentativa de arrumar o que foi feito.

No geral a experiência foi boa e mostrou que a DC está indo pelo caminho certo. Devemos ficar de olho nas novidades que prometem chegar às telonas.

A Liga da Justiça 
Duração: 2 horas
Direção: Zack Snyder
Elenco: Ben Affleck, Gal Gadot, Henry Cavill, Jason Momoa, Ezra Miller, Ray Fisher, J. K. Simmons, Willem Dafoe, Amy Adams, Jesse Eisenberg e Jeremy Irons
Nota: 3,7/5

Anderson Dias

Programador, professor de informática, nerd, geek, rato de biblioteca, CDF, entre outras qualidades!! Muito bem casado <3 e sempre disposto a viver a cada dia essa alegria que é estar ao lado da pessoa amada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *